Até o último homem (Hacksaw Ridge)

hacksaw-ridge-1-1140x650

           O Divã de hoje será bem diferente do que falamos até agora. O filme que iremos analisar aborda fatos reais, de um bravo soldado que salvou mais de 75 colegas sozinho durante a Segunda Guerra Mundial.

SOBRE O FILME

           Lançado em 2016, é estrelado por Andrew Garfield (Espetacular Homem Aranha) e dirigido por Mel Gibson (Paixão de Cristo). Indicado a 6 Oscars neste ano, “Até o último homem” se passa na época da Segunda Guerra Mundial (mais precisamente no ano de 1945), é baseado em fatos reais e conta a história de Desmond Doss, um jovem que decide se alistar no exército para honrar seu país na Guerra, mas com um detalhe: Não encosta em armas.

(A PARTIR DE AGORA O TEXTO VAI CONTER SPOILERS)

HISTÓRIA NO DIVÃ

          Desmond Doss é um rapaz gentil, prestativo e muito religioso, que vive com seus pais em uma pequena cidade dos Estados Unidos. Ao ver inúmeros jovens de sua cidade se alistando para a Guerra, inclusive seu irmão, Doss decide também pelo alistamento, pois se sente hipócrita por outros homens se sacrificarem e ele não.

       O filme intercala entre o passado e o presente, apresenta as dificuldades de Desmond quando criança, como quando presenciou por diversas vezes o pai embriagado e cometendo violência contra sua mãe. Um destes episódios  marcou sua vida, ao defender a mãe da ira do pai, o qual apontava uma arma para ela, Desmond o rende e pega a arma, com raiva pelo sofrimento da mãe pensa seriamente em matar o pai e queria ter feito no momento, mas sabia que depois se arrependeria, a partir de então Desmond jurou para Deus que nunca mais pegaria em uma arma e lutaria para tentar salvar o máximo de vidas possíveis. 

          Desmond então se alista e viaja com o exército para uma missão. Já no pelotão, se mostra ágil e persistente nas tarefas, porém na etapa em que os soldados devem treinar porte de arma e tiro, Desmond se recusa a pegar na arma e afirma que seu papel na guerra será salvar as pessoas e não matá-las. Os demais soldados o repreendem, o espancam e o acusam de ser covarde. O capitão de seu pelotão, tenta de qualquer forma expulsá-lo do exército, mas mesmo após todo sofrimento, Desmond não desiste e firma seu pensamento e convicção de que não precisa matar para ajudar em uma guerra. Chega a ser preso e passa por um “julgamento” no exército, seu pai, antigo tenente e combatente da primeira Guerra, o ajuda a expor sua convicção. Desmond então é aceito em seu pelotão e como médico, trabalha na batalha de Okinawa.

“Junto com os outros soldados, junto do perigo, só que… enquanto todos os outros vão tirando vidas, eu vou estar salvando vidas”

        O grupo sofre para dominar a batalha, mas Desmond com toda sua coragem e inteligência, conseguiu salvar mais de 75 homens feridos, sozinho, apenas com ajuda de uma corda. Uma frase marcante do personagem do filme foi: “Por favor Deus, me ajude a salvar mais um”. Desmond não desistiu e salvou o máximo de colegas que pode, arriscando sua própria vida. Depois de seu ato heroico, o pelotão finalmente o reconhece e decide que não irá subir novamente ao campo de batalha sem Desmond e sua fé. 

         A mensagem do filme é muito bonita e chama atenção, pela determinação e coragem do personagem principal. Sem entrar em detalhes sobre religião, mas ressaltando a fé que o jovem tinha em Deus e a honra com que cumpriu seu objetivo é fantástica. O que queremos focar aqui é no poder da crença, quando se acredita em algo, qualquer coisa, a crença toma forma, no caso do Desmond a crença era em Deus, no caso de seus colegas a crença era nele, eles só conquistaram o seu objetivo depois que passaram a acreditar que, por causa da fé do Desmond, tudo daria certo.

“A maioria desses homens não crê da mesma forma que você. Mas eles acreditam tanto no quanto você crê.”

          Podemos ressaltar que no caso de Desmond a crença teve resultados positivos, mas uma crença negativa pode causar problemas. Como no caso de quem acredita que não é capaz de fazer algo e acaba sempre se boicotando, quem acredita que não merece ser feliz, entre outras inúmeras crenças negativas que vemos todos os dias no consultório e podem realmente afetar a vida das pessoas de maneira negativa. Acreditar é importante, principalmente em si mesmo, por isso é importante observar as crenças e entender as influências que elas têm sobre a vida.

“Qualquer um que tente por a convicção do outro em risco está errado. Seja no exercito ou em outro lugar. Quando você tem uma crença, não é brincadeira. É quem você é.”

       Vemos em histórias de sobreviventes da guerra, o quanto foi difícil a convivência com mortes de amigos, terror psicológico, e Desmond foi firme em sua convicção até o fim, mesmo sofrendo com seus colegas. A posterior aceitação pelo seu jeito diferente e sua convicção  também é muito legal, a princípio o diferente pode parecer errado, mas cada indivíduo tem sua personalidade e forma de lidar com o que acredita. Desmond decidiu que pegar em uma arma era errado e que mesmo assim conseguiria salvar vidas na Guerra, sobreviveu e foi condecorado.

Espero que tenham gostado! Deixe seu like e seu comentário!!

 

6 Comments »

  1. Filme extraordinário,onde mostra a fé e a convicção naquilo em que se acredita,fazendo emergir de dentro de vc uma força para seguir adiante!Uma super lição de vida!
    Parabéns pelo posto😘

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s